You are currently viewing Metodologias Ágeis

Metodologias Ágeis

Por Felipe Carone, Isabela Dallabona, Leonardo Senna e Luísa Menezes

Você provavelmente já ouviu falar sobre as metodologias ágeis. Elas são formas de dirigir projetos que buscam dar maior agilidade aos processos e suas conclusões, sem perder a eficiência. Se baseiam em 4 pilares, sendo eles; comunicação, praticidade, alinhamento de expectativas e flexibilidade.  

Aplicar essas metodologias nos seus projetos e no dia a dia da sua empresa podem trazer diversas vantagens, sendo as principais, produtividade, qualidade e velocidade.  

Mas calma, existem muitos tipos diferentes de metodologias. Hoje, a COMEP trouxe algumas delas para que você entenda um pouco mais e encontre aquela que se alinha melhor com seus objetivos. 

PRINCIPAIS METODOLOGIAS 

  1. SMART 

A metodologia SMART se baseia em um método de definição de metas, baseado em 5 fatores. Do inglês; 

– Specific (específica) 

– Measurable (mensurável) 

– Attainable (alcançável) 

– Relevant (relevante) 

– Time based (temporal) 

Suas metas devem estar de acordo com esses fatores, simultaneamente, a fim de serem realistas e para que possam ser atingidos. Algo que não se encaixe em todos esses tópicos deve ser considerado descartável.  

Dentre as vantagens encontramos uma maior organização das ações da empresa, execução mais rápida de tarefas, aumento da produtividade, maior disciplina, além de especificar os focos.  

  1. LEAN MANUFACTURING 

Desenvolvido por um engenheiro da Toyota em 1950, no Japão, é um sistema de gestão que se baseia em 5 princípios. São eles; valor, fluxo de valor, fluxo, puxar e perfeição. Por ser um método que busca reduzir custos, agilizar a produção e melhorar o ambiente de trabalho, ele é vantajoso pois o gerenciamento, funciona de forma visual, motiva a equipe e resolve problemas de forma mais eficaz. 

Para aplicar o LEAN, é essencial que se comece pela leitura. Algumas sugestões são os livros A mentalidade enxuta nas empresas, Lean Turnaround e O modelo Toyota. 

  1. KANBAN 

O método foi criado em 1940 por Taiichi Ohno, um engenheiro da Toyota no Japão, que teve a ideia de desenvolver a metodologia analisando a forma como os supermercados organizavam suas prateleiras. Seu objetivo era aprimorar o controle do estoque de produtos da empresa, para que não houvesse falta nem excesso materiais, trazendo assim, equilíbrio para a linha de produção. 

Conhecida por ser muito simples e inteligente, a metodologia foi criada para ajudar a organizar as tarefas de uma empresa e facilitar a visualização do andamento de trabalhos. utilizam-se post-its ou softwares para registrar as atividades que estão sendo realizadas e suas respectivas etapas, deixando todo o processo mais claro, evitando a procrastinação e ajudando a medir a produtividade. 

  1. SCRUM 

O Scrum foi idealizado por três dos programadores que formularam o Manifesto Ágil: Mike Beedle, Ken Schwaber e Jeff Sutherland. 

Apesar de seguir os preceitos do Manifesto, a metodologia é anterior a ele, tendo sido criada em 1993. 

A metodologia Scrum foi proposta para executar projetos complexos em menor tempo e com o uso de menos recursos. 

Em um primeiro momento, teve utilização no desenvolvimento de softwares, mas sua dinâmica permite a aplicação em diferentes organizações que desejem aprimorar os processos de gestão de projetos. 

Scrum é um conjunto de boas práticas empregado no gerenciamento de projetos complexos, em que não se conhece todas as etapas ou necessidades. 

Focado nos membros da equipe, o Scrum torna os processos mais simples e claros, pois mantém registros visíveis sobre o andamento de todas as etapas. 

Assim, os participantes sabem em que fase o projeto está, o que já foi concluído e o que falta ser feito para a sua entrega. 

A metodologia também possibilita que produtos sejam apresentados em menor tempo, sem deixar de lado a qualidade. 

Ela funciona com base em iterações, que são ciclos de produção e avaliação realizados para aperfeiçoar um item. Cada iteração recebe o nome de Sprint e costuma durar entre duas e quatro semanas, mas esse período pode ser maior ou menor, caso o time decida. 

Após o Sprint, o time conduz a Sprint Review Meeting (Reunião de Revisão) para revelar o produto gerado, e a Sprint Retrospective, um encontro que foca nas lições aprendidas. 

Priorizando a criatividade e fluidez nos processos, o Scrum segue seis princípios: 

  • Flexibilidade dos resultados 
  • Flexibilidade dos prazos 
  • Times pequenos 
  • Revisões constantes 
  • Colaboração 
  • Orientação a objetos. 

Ela funciona com base em iterações, que são ciclos de produção e avaliação realizados para aperfeiçoar um item. Cada iteração recebe o nome de Sprint e costuma durar entre duas e quatro semanas, mas esse período pode ser maior ou menor, caso o time decida. 

Após o Sprint, o time conduz a Sprint Review Meeting (Reunião de Revisão) para revelar o produto gerado, e a Sprint Retrospective, um encontro que foca nas lições aprendidas. 

Implantar o Scrum em uma empresa, departamento ou projeto torna os processos mais eficientes, o que representa diversas vantagens. 

Abaixo, listamos algumas delas: 

  • Simplifica o desenvolvimento de produtos complexos 
  • Cria um ambiente que favorece a colaboração 
  • Aumenta o ROI (Retorno sobre Investimento) 
  • Confere agilidade e eficácia aos processos 
  • Proporciona melhoria contínua 
  • Valoriza cada membro dentro da equipe, aumentando sua autoestima, confiança e autonomia 
  • Foca na satisfação do cliente 
  • Estimula a criatividade – um dos ingredientes essenciais para inovar 
  • Reduz o tempo para entrega do produto 
  • Proporciona integração e comprometimento de cada membro da equipe junto ao projeto 
  • Oferece motivação para o time, que acompanha o andamento do projeto todos os dias 
  • Fornece condições para o planejamento constante, corrigindo pequenas falhas rapidamente 
  • Melhora a comunicação entre todos os atores envolvidos no projeto 
  • Reduz custos de produção 
  • Eleva a produtividade do time 
  • Reduz riscos comuns em projetos de desenvolvimento de novos produtos 
  • Diminui a quantidade de reclamações por parte do cliente. 
  1. Extreme Programing 

O XP (Extreme @toorammina ou Programação Extrema) é uma metodologia focada no desenvolvimento de software que possui valores e princípios, onde são fundamentados por um conjunto de práticas. É uma metodologia leve que pode facilmente ser adotada por diferentes níveis de desenvolvedores (experientes ou não) e em qualquer tamanho de equipe. E uma excelente metodologia por se adaptar a requisitos que às vezes podem mudar rapidamente. O XP pode ser utilizado de forma complementar a Scrum pois ele acaba focando mais em processos de engenharia e desenvolvimento de software. Esta metodologia possui um conjunto de princípios e valores, onde os princípios tendem a ser mais concretos que os valores. O conjunto de valores servem como um critério que norteiam as pessoas envolvidas no desenvolvimento do software, além de se complementarem.  

São eles: comunicação, simplicidade, feedback, coragem e respeito. Além desses valores existe um conjunto de princípios que deve ser seguido por equipes que forem usar XP em projetos, sendo o feedback rápido, presumir simplicidade, abraçar mudanças trabalho de alta qualidade, pequenos passos, melhora, diversidade, reflexão. No XP propriamente, isso é feito com base em práticas e etapas predefinidas para que o processo tenha a máxima eficácia. O software (ou outro projeto) è desenvolvido em ciclos semanais, com reuniões periódicas entre cliente e equipe de desenvolvimento. 

Deixe um comentário